top of page
  • Foto do escritorGeovanne Solamini

Há 15 anos, Bia Falcão declarava: “Pobreza Pega!”


Imagem: Reprodução/TV Globo

Há exatos 15 anos, no dia 1 de julho de 2006, Fernanda Montenegro protagonizava uma das melhores cenas de sua carreira na TV, na reta final da novela “Belíssima”. Fernanda deu um show na pele de da grande vilã, Bia Falcão, mesmo que tenha passado boa parte da novela fora de cena. No capítulo 204, Bia conta ao seu advogado Medeiros (Ítalo Rossi) que pretende sumir no mundo com sua bisneta, Sabina (Marina Ruy Barbosa).


Com um texto muito bem escrito, assinado por Sílvio de Abreu, Bia destilava todo o seu veneno se referindo ao bairro humilde onde sua bisneta morava com sua mãe, Vitória (Cláudia Abreu). A cena, que foi eternizada pela atuação de Fernanda, interpretando de maneira única as opiniões de Bia, carregadas de preconceito, classicismo e xenofobia, com suas expressões bem destacadas e o seu tom de voz grave. Ao dizer que “pobreza pega, como sarna, como um vírus!”, Fernanda e Sílvio marcariam aquela cena na memória do público, sendo talvez a única cena que muitos se lembram da novela.


Uma das primeiras cenas de novela a virar memes, lá no meio da década de 2000, foi parar no YouTube e logo começaram as montagens. Foi remixada, em versão musical, com outro meme de novelas: a frase “eu sou rica”, dita por Carolina Ferraz em “Beleza Pura” (2008). O remix marcou a internet e é usado na vinheta de introdução do canal Diva Depressão.


Ouça a versão remixada


Relembre a cena abaixo:


Cena censurada na reprise


“Belíssima” foi reprisada no ‘Vale a Pena Ver de Novo’ entre junho de 2018 e janeiro de 2019, e mesmo não tendo uma boa repercussão, foi exibida com poucos cortes – um deles, curiosamente, foi justamente em sua cena mais lembrada, que foi reduzida à metade, deixando de fora suas falas mais pesada. Isso levantou debate nas redes sociais, onde foi discutido o porquê de a TV Globo ter editado a famosa cena. Medo das críticas ou do novo cancelamento? A reprise de “Avenida Brasil” (2012), por exemplo, exibiu cenas muito mais fortes do que essa.

Comments


bottom of page